24 de dezembro de 2011

Giovana - 2 meses

Na véspera de Natal a Giovana completou 2 meses de vida. Foram dias muito especiais. O que mais se destacou nesse mês foram os sorrisos que se tornaram mais frequentes. Eu e o Fê ficamos que nem "bobos" fazendo gracinhas, cantando e pulando para ver um sorriso em seu rosto! E quando ele chega é maravilhosa a sensação.
Percebemos que ela começou a reconhecer mais rápido nós dois. Dessa maneira passou a chorar quando outras pessoas a carregam.

O bebê de 2 meses: 

Primeiros sorrisos de verdade: A partir daqui, tudo o que você fizer será recompensado com lindos sorrisos desdentados. Os primeiros sorrisos para valer certamente figuram entre as conquistas que mais tocam o coração dos pais. De certo modo, é a hora do retorno. Você troca fraldas, alimenta, dá banhos, beija e acaricia seu bebê sem grandes recompensas. Mas, de repente, acontece: seu filho sorri e você tem certeza de que não é coincidência. É um momento especial, mesmo que a noite anterior tenha sido dificílima. (Como disse anteriormente, é fantástico o que um sorrisso faz! Esses dias estava cansada, irritada e de repente um sorriso! Nada mais teve importância!)

Desenhos mais complexos em alta : Aos 2 meses, o bebê começa a deixar para trás sua preferência inicial por objetos de duas cores e passa a gostar de desenhos detalhados, com padrões, cores e formas mais complexos. Deixe seu filho olhar e tocar uma gama maior de objetos. Entre as boas opções estão brinquedos de plástico e bolas macias. (A Gi ganhou vários brinquedos coloridos que fazer diversos tipos de som. Quando apresentamos a ela conseguimos sorrisos e pequenas falas)

Sono por mais tempoSe o seu filho dorme a noite inteira, sinta-se privilegiada. A maioria dos bebês ainda requer uma ou mais mamadas durante a noite. Mas a boa notícia é que ele já deve estar dormindo por períodos maiores, assim como ficando acordado por mais tempo. Grande parte dos bebês de 2 meses dorme em ciclos de duas a quatro horas e permanece acordada por até dez. (Ela tem dormido melhor a noite. Chega a dormir 5 horas. Durante o dia tira cochilos de 30 min a 1h.)

Movimentos menos bruscosOs movimentos parecem mais controlados. Você perceberá que o uso descoordenado de braços e pernas dos dias de recém-nascido deu lugar a movimentos mais serenos e arredondados. Aos 2 meses, a criança também começa a conseguir pegar objetos voluntariamente. No início, o ato de pegar alguma coisa era mais involuntário e instintivo. A aptidão vai se aprimorando nos próximos meses, e aos 4 meses ela conseguirá segurar o que quiser. (Os movimentos estão mais coordenados sim, mas ainda não consegue abrir a mão para pegar objetos, mas consegue encostar neles com a mão fechada.)

Gi, minha filha querida, parabéns por mais 1 mês de vida! 
A mamãe ama muito você!
--> Leia mais...

23 de dezembro de 2011

Esperança de um mundo melhor

Essa música me traz a esperança de que o mundo pode ser melhor! Não quero aqui fazer propaganda da marca em questão, quero somente que preste atenção nessa música.

--> Leia mais...

Meu presente de Natal

Há 1 ano atrás escrevi neste blog uma carta ao Papai Noel (http://desejobaby.blogspot.com/2010/12/carta-ao-papai-noel.html), nela eu estava pedindo de presente de natal um lindo bebê! 
Meu pedido foi realizado! No dia 24 de dezembro ela fará 2 meses de vida. Hoje estou aqui para agradecer ao Papai Noel, frisando que Noel é somente o nome que eu dei a um Ser supremo que acredito que existe e vem disfarçado nesta época do ano. 

Eu tinha um sonho, um desejo do fundo do meu coração e hoje consegui conquistar e sou muito grata por isso. À você que também tem um sonho, acredite nele, lute por ele, tenho certeza que conseguirá alcançar. Tudo ao seu tempo! 

Um Feliz Natal a todos, 


"Que o Natal comece no seu coração 
Que seja pra todos, sem ter distinção 
Um gesto, um sorriso, um abraço, o que for 
O melhor presente é sempre o amor"


--> Leia mais...

9 de dezembro de 2011

Vitaminas para o Bebê


O médico da Giovana receitou AD-TIL (2 gotas) e Cewin (10 gotas) que deverá ser tomado até 1 ano de idade. Segue informações dos medicamentos:

AD-TIL: Prevenção e tratamento dos estados carenciais de vitaminas A e D principalmente nas fases de crescimento, em casos de raquitismo, espasmofilia, osteomalácia e para aumento da resistência às infecções.
A vitamina A, indispensável ao perfeito desenvolvimento dos processos metabólicos; atua no organismo, aumentando a resistência às infecções e concorrendo para a integridade dos epitélios. É fator importante no crescimento e desenvolvimento de crianças e lactentes. Específico na prevenção de xeroftalmia e ceratomalácia, o que leva à cegueira. Entra na composição da rodopsina, indispensável à adaptação da visão na obscuridade.

A vitamina D, outro componente de Ad-til, é por excelência anti-raquítica e fixadora do cálcio e fósforo. É, portanto, uma vitamina indispensável em qualquer época da vida humana. Influi no crescimento, desenvolvimento e na dentição.


CEWIN: é um medicamento que possui em sua fórmula uma substância denominada ácido ascórbico ou vitamina C. CEWIN combate a deficiência desta vitamina no organismo e está indicado em todos os estados em que há necessidade de vitamina C no organismo. A vitamina C é usada ainda como auxiliar do sistema imunológico e nas fases de crescimento.

NÃO TOME REMÉDIO SEM O CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO.
PODE SER PERIGOSO PARA A SAÚDE.
--> Leia mais...

Giovana de Brincos

Nessa quarta-feira (dia 7) finalmente conseguimos colocar o brinquinho na Giovana. Atualmente a Vigilância Sanitária proibiu que furasse a orelha no hospital e autoriza as farmácias furarem somente depois de 3 meses. Foi difícil encontrar alguém que tivesse experiência e viesse em casa. Minha querida vizinha Dani me indicou uma enfermeira que é berçarista na Unimed Sorocaba. Além de experiente a Mazé (enfermeira) foi muito atenciosa e carinhosa com a Gi. Ela chorou um pouco, mas acredito que foi porque seguramos firme seu braços. Foi utilizado anestésico local e furado com o próprio brinco. Ela ficou tão linda, feminina! Amooooooooo...

Muitos pais ficam em dúvida se devem ou não furar as orelhas de suas menininhas recém-nascidas. Essa decisão é, na verdade, estritamente pessoal, pois apesar de o procedimento ser um pouquinho dolorido, ele não é contra-indicado ¿ e a dor é daquelas que passam no mesmo instante. Se vocês decidirem pelo sim, vejam o que precisa ser levado em consideração.

Na hora de fazer os furinhos: Certifiquem-se que o profissional que irá fazer o furo tem uma boa experiência no assunto. Na maioria das vezes, a própria maternidade indica uma enfermeira que faz esse trabalho, que pode ser feito em casa após a alta.do berçário. Hoje em dia, o método preferido é utilizar o próprio brinco ou uma agulha desinfetada, que é mais rápido e simples. Algumas pessoas, que têm experiência em furar orelhas, aplicam um anestésico local cerca de 30 a 40 minutos antes de furá-las. A pistola utilizada nas farmácias não é recomendada para os bebês recém-nascidos, apenas para as crianças maiores.  A cartilagem dos bebês ainda é bem molinha, por isso a agulha pode atravessá-la facilmente. E não se assuste com a dorzinha, como dissemos acima, ela realmente existe, mas é aquela "picadinha" que passa bem rápido. 

Sobre os brincos: Os brincos das pequeninas não podem ser grandes, com formato de argola, pontiagudos ou com detalhes que possam machucar ou enganchar na roupinha. As bolinhas de ouro ou pérola são as opções mais indicadas. E a tarracha deve ser do modelo que se encaixa no brinco e possui um fundo, para evitar que entre na orelha com o passar do tempo. E atenção: evite as bijuterias, que podem ocasionar alergias e inflamações. Nos bebês, o mais recomendado é o uso de ouro maciço (de preferência ouro de 24k), que é o material que menos causa reações alérgicas.

Higiene nota 10: A mamãe que decide colocar brincos no bebê deve ficar bastante atenta à higiene da orelha. Nos primeiros quinze dias, por exemplo, o local do furo (na frente e atrás da orelha) deve ser higienizado com álcool a 70º. Além disso, para evitar que o brinco grude na pele, ele também deve ser girado suavemente, para os dois lados, algumas vezes por dia nas primeiras duas semanas. Depois do banho, certifique-se que a região fique bem seca. E nada de tirar o brinco antes do furo ter completado dois meses, pois ele pode fechar.

Caso a orelha do bebê apresente qualquer reação, como vermelhidão, cheiro desagradável ou casquinhas, converse com o pediatra da criança o quanto antes. Ele vai avaliar se está ocorrendo inflamação e/ou infecção local e indicar o melhor tratamento a ser adotado.


Fonte: http://www.jnjbrasil.com.br. Revisado por Dra. Renata Dejtiar Waksman (Médica pediatra do Hospital Israelita Albert Einstein, Doutora em Pediatria pela FMUSP, Presidente do Departamento de Segurança da Criança e do Adolescente da Sociedade Brasileira de Pediatria.)

--> Leia mais...

2 de dezembro de 2011

Antes de Ser Mãe

Antes de ser mãe...

Eu fazia e comia os alimentos ainda quentes.
Eu não tinha roupas manchadas,
Tinha calmas conversas ao telefone.
Antes de ser mãe, eu dormia o quanto eu queria,
Nunca me preocupava com a hora de ir para a cama.
Eu não me esquecia de escovar os cabelos e os dentes

Antes de ser mãe,
Eu limpava minha casa todo dia. 
Eu não tropeçava em brinquedos e nem pensava em canções de ninar. 
Antes de ser mãe, eu não me preocupava: 
Se minhas plantas eram venenosas ou não. 
Imunizações e vacinas então, eram coisas em que eu não pensava.
  
Antes de ser mãe,
Ninguém vomitou e nem fez xixi em mim,
Nem me beliscou sem nenhum cuidado, com dedinhos de unhas finas.

Antes de ser mãe,
Eu tinha controle sobre a minha mente,
Meus pensamentos, meu corpo e meus sentimentos,
E dormia a noite toda.

Antes de ser mãe,
Eu nunca tive que segurar uma criança chorando,
para que médicos pudessem fazer testes ou aplicar injeções.
Eu nunca chorei olhando pequeninos olhos que choravam.
Nunca fiquei gloriosamente feliz com uma simples risadinha.
Nem fiquei sentada horas e horas olhando um bebê dormindo.

Antes de ser mãe,
Eu nunca segurei uma criança, só por não querer afastar meu corpo do dela.
Eu nunca senti meu coração se despedaçar, quando não pude estancar uma dor.
Nunca imaginei que uma coisinha tão pequenina, pudesse mudar tanto a minha vida e que pudesse amar alguém tanto assim.
E não sabia que eu adoraria ser mãe.

Antes de ser mãe,
Eu não conhecia a sensação, de ter meu coração fora do meu próprio corpo.
Não conhecia a felicidade de alimentar um bebê faminto.
Não conhecia esse laço que existe entre a mãe e a sua criança.
E não imaginava que algo tão pequenino, pudesse fazer-me sentir tão importante.

Antes de ser mãe,
Eu nunca me levantei à noite toda , cada 10 minutos,
para me certificar de que tudo estava bem.
Nunca pude imaginar o calor, a alegria, o amor,
 a dor e a satisfação de ser uma mãe.
Eu não sabia que era capaz de ter sentimentos tão fortes.
Por tudo e, apesar de tudo, obrigada Deus,
Por eu ser agora um alguém tão frágil
e tão forte ao mesmo tempo.

Obrigada meu Deus, por permitir-me ser Mãe!
--> Leia mais...

24 de novembro de 2011

O bebê de 1 mês

Cabeça mais firme: Os músculos do pescoço estão ficando mais fortes, o que permite ao bebê manter a cabeça erguida por breves períodos. Ele também consegue levantá-la um pouco quando está de barriga para baixo e pode até conseguir virá-la de um lado para o outro. Pode ser que ele erga a cabeça enquanto estiver na cadeirinha do carro ou em um "canguru", especialmente se tiver um bom apoio lateral e se você utilizar protetores acolchoados de cabeça, feitos justamente para essas situações. (A Giovana adoooooora quando a carregamos em pé. Ela afirma o pescocinho e olha tudo ao redor)

Explorando as extremidades: Ao nascer, seu bebê não tinha a menor idéia de que braços e pernas faziam parte dele. Agora isso começa a mudar, à medida ele inicia a exploração do corpo. As primeiras partes que vai descobrir são mãos e pés. Você pode estimular o interesse segurando os braços dele em cima da cabeça e fazendo brincadeiras como "dedo mindinho, seu vizinho..." ou contando os dedinhos do pé. 

A sós: Os bebês não só adoram sugar; eles também precisam sugar. Você já deve ter reparado que uma chupeta faz maravilhas para ajudar seu filho a se acalmar sozinho, mas, se ela não estiver por perto, o bebê tem a chance de conseguir encontrar o polegar ou outros dedos para chupar. (A Gi só pega a chupeta para dormir e logo depois empurra da boca. Ela já achou a mãozinha para chupar, mas só faz isso quando está com fome)

Olha quem está falando agora! : O bebê de 1 mês tende a emitir vários sons, como resmungar e "cantar" para expressar o que sente. Certifique-se de fazer a mesma coisa, conversando com ele bem de perto. Alguns bebês podem começar a dar gritinhos e gargalhadas. Mesmo se você estiver ocupada em algum outro lugar da casa, só de ouvir sua voz a criança ficará feliz. Embora desde os primeiros dias ele soubesse reconhecer você, ao final do mês talvez ele já consiga demonstrar isso. Cerca de metade dos bebês nesta fase começa a provar que reconhece os pais e reage de forma diferente em relação aos desconhecidos. Seu filho poderá se acalmar com você e manter contato visual; alguns bebês já sorriem ao ver o pai ou a mãe. (A cada dia que passa ela vez emitindo mais sons diferentes. Quando ela acorda sozinha e também quando acaba de mamar muitas vezes dá uma gargalhada!)

Gosto pela música: Agora que o bebê fica acordado por mais tempo durante o dia, você pode aproveitar para estimular o desenvolvimento sensorial dele. Tente cantar ou tocar música. Até o tiquetaque de um relógio vai diverti-lo. Quanto mais variados os sons, maior o impacto. E, com o tempo, você vai perceber que seu filho começa a ter gostos e a reagir com mais prazer a certas escolhas sonoras. (O Fê ama música, então promove momentos lindos entre pai e filha. Ele coloca músicas bem alto e a pega no colo. Começa a cantar olhando nos seus olhos. Ela retribui os olhares. Os dois chegam a dormir no sofá!)

Os olhos acompanham objetos: Depois que aprendeu a fixar o foco com os dois olhos, seu filho consegue agora acompanhar um objeto em movimento - algo que pode ter feito por curtos intervalos desde o nascimento. Um simples chocalho que você passar diante dos olhos da criança deve bastar para impressioná-la. Ou você pode brincar de se aproximar bastante do rosto dela e ao poucos mexer a cabeça de um lado para o outro, o que deve fazer com ela acompanhe o movimento. Apesar de existirem brinquedos especialmente voltados para o desenvolvimento de bebês, saiba que você pode se virar perfeitamente bem com coisas que tem em casa. Agite papel alumínio ou um utensílio culinário colorido diante de seu bebê. Depois, tente movimentá-los de cima para baixo. Isso deve atrair a atenção da criança, mesmo que ela só vá conseguir acompanhar movimentos verticais com mais precisão em aproximadamente três meses. (A Gi não perde nada que passa perto dela. Agora achou a tv, e chega a virar a cabeça para ver quando passamos perto de uma)

Será que o desenvolvimento do meu filho é normal? Lembre-se, cada bebê é de um jeito e atinge os marcos de desenvolvimento físico no seu próprio ritmo. O que apresentamos são apenas referências das etapas que seu filho tem potencial para alcançar - se não agora, em pouco tempo. Caso seu filho tenha nascido prematuro, você provavelmente vai notar que ele leva um pouco mais de tempo para fazer as mesmas coisas que outras crianças de idade similar. Por esse motivo, os pediatras costumam dar aos prematuros duas idades: a cronológica (guiada pelo aniversário) e a corrigida (calculada como se ele tivesse nascido no dia em que a gestação completaria 40 semanas). Você deve comparar seu bebê com a idade corrigida, e não com a cronológica. E não se preocupe, a maioria dos médicos avalia o desenvolvimento do prematuro contando a partir da data que era prevista para o nascimento, e acompanha todo seu progresso levando isso em conta. 

(Escrito para o BabyCenter Brasil, Aprovado pelo Conselho Médico do BabyCenter Brasil)

--> Leia mais...

Um mês de vida

Parabéns minha princesa! Parabéns filha querida!
Nooooooooooossa como passou rápido! Um mês... 30 dias se passaram... 

Quando vi pela primeira vez seu rostinho, lá na sala de parto ainda, me senti lisonjeada pelo presente que tinha acabado de receber. 

Na casa de seus avós (Carlos e Sônia) pude te conhecer melhor... Ficava horas te olhando, admirando cada partinha de você! Como és perfeita! Minha menina mais linda!

Tivemos que enfrentar a dificuldade de amamentar, mas juntas conseguimos superar.

Você vivenciou muitas "Primeira Vez": 1º Banho, 1ª Cólica, 1ª Consulta ao pediatra, 1ª Ida ao Salão de Beleza, 1º Passeio etc. Sei que não deve ter sido fácil! Eu e seu pai tivemos que fazer várias adaptações na nossa vida para te receber e cuidar de você. A casa ainda está bagunçada, ainda falta aprender muitas coisas, mas nós 3 juntos conseguiremos construir uma família feliz.

--> Leia mais...

7 de novembro de 2011

Teste do Pezinho

O que é o Teste do Pezinho? O Teste do Pezinho é um exame laboratorial simples, conhecido também como exame de triagem neonatal, e tem por objetivo o diagnóstico precoce e prevenção de doenças metabólicas, genéticas e ou infecciosas que poderão causar lesões irreversíveis no bebê se não forem tratadas antes mesmo do aparecimento dos sintomas, como por exemplo a deficiência intelectual (retardo mental). O diagnóstico precoce oferece condições de um tratamento iniciado nas primeiras semanas de vida do bebê, evitando a deficiência mental. A deficiência, uma vez presente no corpo, já não pode ser curada.

Como é feito? O teste é feito de forma bem simples, o bebe leva uma picadinha no calcanhar, pois é um local com muitas ramificações de vasos sangüíneos o que permite a coleta bem rápida. O bebê chora por ser uma sensação nova para ele.

Quando deve ser feito? O ideal para se realizar o Teste do Pezinho é aguardar o prazo de 48 horas após o seu nascimento, pois se for realizado antes deste período poderá haver influência do metabolismo da mãe nos resultados.

Tipos de Teste do Pezinho: No Sistema Único de Saúde (SUS), o Programa Nacional de Triagem Neonatal é gratuito. O teste cobre a identificação de até quatro doenças. Mas nem todos os Estados brasileiros realizam os quatro testes.
O Programa Nacional de Triagem Neonatal prevê três fases do teste do pezinho, em que os Estados devem se adequar:

1ª Fase :
Fenilcetonúria - (Distúrbio genético no qual um dos aminoácidos presentes no leite pode prejudicar a saúde do bebê causando retardo mental grave);
Hipotiroedismo Congênito - (A falta do hormônio produzido na glândula tireóide causa deficiência mental e retardo de crescimento.);

2ª Fase :
Anemia Falciforme e outras Hemoglobinopatias - (As hemoglobinopatias são doenças causadas por anormalidades na estrutura molecular ou na produção da hemoglobina "S". Crianças com hemoglobina anormal são altamente suscetíveis à anemia e infecções.)

3ª Fase :
Fibrose Cística - (Doença genética que causa problemas respiratórios e gastrointestinais crônicos)

Também existem outros tipos mais completos de Exames do Pezinho (conhecidos como teste do pezinho ampliado ou teste do pezinho expandido) capaz de diagnosticar mais de 30 doenças e reduz o número de resultados falso-positivos, permite a análises das Acilcarnitinas (somente possível pela Espectrometria de Massas em Tandem), viabiliza o diagnóstico da deficiência de MCAD em neonatos e possibilita a detecção da Fenilcetonúria em amostras de crianças a partir de oito horas de vida. O custo para a realização do exame do pezinho ampliado ou expandido pode variar de acordo com a quantidade de doenças a serem detectadas, e podem ser realizados em laboratórios e maternidades particulares, consulte o médico pediatra para maiores informações.

ResultadoNão basta fazer o exame, é essencial buscar o resultado e levar ao pediatra para avaliar, porque o resultado normal, mesmo no teste ampliado não afasta a possibilidade de doenças neurológicas genéticas ou adquiridas como por exemplo, o teste do pezinho não diagnostica a Síndrome de Down.

O Teste do Pezinho Convencional é obrigatório e gratuito. E esse é um direito que seu filho já nasce com ele.


A Giovana fez o teste do pezinho depois que saiu do hospital pois tivemos alta antes de 48 horas. Eu e minha mãe entramos junto com ela para a realização do teste. Mesmo sendo um teste simples como diz o texto acima, dá uma dor no coração ter que segurar sua filha que chora desesperadamente cada vez que a enfermeira aperta seu pezinho. A picada em si não dói, o que dói é apertar o pé para sair as gotas de sangue. Essa foi a primeira vez que senti o tão famoso sentimento de mãe: "Faça em mim, não no meu filho".
Já peguei o teste, aparentemente não deu nada, graças a Deus. Dia 5 de dezembro temos consulta com o pediatra, depois faço uma postagem das suas orientações.
--> Leia mais...

31 de outubro de 2011

Giovana


A Sua Espera...

Descobrimos que eu estava grávida no dia 27 de fevereiro de 2011. Era um domingo, uma noite chuvosa... Depois de muita insistência do seu pai compramos um teste de farmácia e deu POSITIVO!! Eu ainda não acreditava e então resolvemos ir para o Hospital e fazer um exame de sangue.  Saímos do Hospital felizes!! Ansiosos para contar para todos... mas como era tarde tivemos que esperar amanhecer. Nem dormimos direito... Então fomos contar a novidades aos seus avós. Todos ficaram muito felizes!! No dia 13 de maio (15 semanas de gestação) descobrimos que seria uma menininha... Nossa princesa Giovana. Mais uma vez a alegria contagiou a todos. ...



A Sua Chegada...


Você nasceu numa noite de segunda-feira, dia 24 de outubro de 2011. Eu estava com 39 semanas de gestação. Você nasceu com 47 cm e 2.950Kg.
Linda!! Linda!!


--> Leia mais...

27 de outubro de 2011

Companheira de quarto

Não poderia deixar de agradecer a minha companheira de quarto Michele. Nos conhecemos na sala de pós parto e acabamos ficando no mesmo quarto. Sua companhia foi muito agradável, assim como de sua irmã e sua mãe. Ela teve uma importante participação nesse momento que estou vivendo. Quando tive problemas com a amamentação ela me auxiliou, me orientou e até me emprestou um bico de silicone que facilitava a amamentação. E quando as dores ficaram insuportáveis ela e sua irmã me deram conforto, apoio e ajudaram a cuidar da Giovana. Muito obrigada querida Michele! Que Deus abençõe sua vida e sua família. Felicidades a pequena Nicole!
--> Leia mais...

26 de outubro de 2011

O dia do seu nascimento

Hoje acordei ansiosa, afinal há uma semana atrás, quando estava com 38 semanas comecei a sentir uma dor abdominal e então procurei o médico. Era uma segunda-feira, dia 17 de outubro. Ele constatou que eu estava com 3cm de dilatação e informou que se continuasse tendo contração acreditava que até o próximo domingo ela nasceria. Foi uma semana de muita ansiedade. As contrações ficavam cada vez mais espaçadas e assim o nascimento da minha filhinha também se adiava. Chegou domingo, e ela não nasceu. Comecei a ficar preocupada. Foi uma semana muito difícil. Não dormi e nem me alimentei direito. Fiquei em alerta 24 horas por dia. E junto comigo toda a família. Não me deixavam sozinha e a cada telefonema que eu fazia as pessoas se sobressaltavam.
Dessa maneira no dia 24 de outubro de manhã estava no consultório do médico junto com meu marido. Durante a consulta o obstetra observou que a dilatação só havia aumentado 1cm. Diante da minha ansiedade e estresse vivenciado na ultima semana ele decidiu dar um “empurrãozinho”. Descolou a bolsa gestacional (que dor!!) e disse que a Giovana nasceria em até 24 horas. Me orientou que quando tivesse contrações de 5 em 5 minutos me dirigisse ao hospital.
Sai assustada do consultório. Finalmente chegou o dia de carregar minha pequeninha nos braços, mas estava com medo! Medo de como seria até a hora dela nascer. Mas estava sendo amparada pelo Fê que estava entusiasmadíssimo.

Quando foi por volta das 15 hs as contrações começaram a acontecer de 5 em 5 minutos... e então fomos para o hospital. Minha mãe nos acompanhou. Ligamos para meu pai, minha irmã e para os pais do Fê.
Chegando ao hospital fui examinada por uma enfermeira e depois internada. Infelizmente não havia quarto disponível e tive que ficar na enfermaria do PA. Um lugar pequeno, macas uma ao lado da outra, separadas apenas por cortinas. Não vou descrever tudo o que se passou neste local, basta saber que fiquei neste lugar por cerca de 5 horas a espera de uma vaga num quarto. A dor aumentava a cada hora. Durante todas as horas que estive ali tentei me concentrar no nascimento da minha filha, foi o que me poupou emocionalmente, o que me fez me desligar de tudo o que acontecia ao meu redor.
Finalmente no quarto, já era 21:35hs... o médico entra no quarto e me revela que não poderia mais esperar o parto normal, teríamos que fazer uma césarea, pois não estava havendo evolução e a Giovana poderia entrar em sofrimento fetal, uma fez que seus batimentos cardíacos já estavam acelerados. Com lágrimas nos olhos e um aperto no peito fui para o centro cirúrgico. As coisas não estavam acontecendo do jeito que eu imaginei... Os procedimentos pré-cirúrgicos foram rápidos, quando me dei conta já estava anestesiada. Lembro que o Fê entrou na sala e logo ouvimos um choro forte e ardido! Novamente as lágrimas escorreram, mas dessa  vez foram de alegria!

O relógio marcava 22:02hs e a enfermeira anunciou pesa 2.930kg e 47 cm. A emoção foi enorme!  Quando a enfermeira me apresentou a pequena Giovana enroladinha no cobertor senti algo que jamais havia sentido na vida! Um sentimento muito bom, indescritível...

Na sala de pós parto contava os minutos para rever aquela carinha tão linda que tinha visto apenas alguns segundos... após 3h eu estava no quarto com o Fê. Em seguida trouxeram nossa filhinha. Apesar da hora (cerca das 2hs da madrugada) meus pais e meus sogros ainda estavam lá. Eu e o Fê decidimos que seria melhor minha mãe ficar comigo durante a noite. A noite passou rápido e na manhã seguinte o Fê ficou comigo até o horário da visita. A pequena Gi estava muito bem! Dormiu a maior parte do tempo. Todos que vieram visita-la a acharam linda!!
Eu sou suspeita em falar, mas ela era linda mesmo... infelizmente só  pude cuidar dela quando estava em casa. Eu sentia muita dor. As horas em trabalho de parto que antecederam a cirurgia resultaram em dores abdominais que se somaram a dor do corte da cesárea e aos incômodos comuns desse tipo de cirurgia. A segunda noite foi tensa. Nossa filhinha chorou de cólica quase a noite toda no colo do seu pai. Eu não conseguia levantar da cama sem auxílio, o Fê conseguiu dar conta de nós duas. Tenho muito orgulho dele, não sei se outra pessoa no seu lugar se sairia tão bem. Amo muito esse homem!
Graças a Deus tivemos alta no dia 25 as 20hs. Assinei um termo de compromisso que voltaria ao hospital na sexta para fazer o teste do pezinho da Giovana e fomos para casa dos meus pais.
Em casa as coisas foram bem melhores...
--> Leia mais...

22 de outubro de 2011

39ª Semana - Hora de conferir a dilatação


Seu bebê: Em pleno funcionamento, prontinho para nascer. Agora serão apenas os toques finais, como o amadurecimento do cérebro e o surgimento de novas camadas de pele para torná-la mais resistente. O pulmão está em condições de funcionar, mas isso só acontecerá após o nascimento – mais especificamente, no momento daquele chorinho na sala de parto que a deixará tão emocionada. Falando nisso, você já se informou sobre as vantagens do parto normal para o bebê? Vale a pena.

Sua gravidez: Você não sai do consultório do obstetra? É assim mesmo! Neste momento, ele acompanhará de perto a sua saúde e a do seu filho. A cada consulta, irá verificar o crescimento e a posição do bebê e também a dilatação do colo do útero. O médico só não será capaz de informar, com exatidão, o dia do parto. Quem decide isso é o seu bebê, que pedirá passagem para sair e você perceberá nitidamente com as contrações. Preste atenção: quando o intervalo entre elas começar a diminuir e se tornarem mais intensas, é hora de ir para a maternidade. Na conversa com o obstetra, informe-se também sobre os bancos de cordão umbilical, que podem armazenar células importantes para a saúde do bebê ou de outro membro da família. Você ainda está em tempo de decidir sobre isso. Nessas últimas semanas, não deixe de comer de três em três horas, e sempre alimentos leves.


--> Leia mais...

21 de outubro de 2011

Querida Filha

Minha filha, escrevo esta postagem com você ainda dentro do meu ventre, mas tenho certeza que você está meu ouvindo.

Desde o dia que eu descobri que ia ser abençoada com sua chegada, que tinha sido a escolhida para ser sua mãe a minha vida nunca mais foi a mesma. Você mudou meu modo de ser, agir e pensar! 

Durante esses 9 meses foram emoções intensas, muitas vezes confusas!! Já não sabia direito que eu era! Uma nova identidade se formava... Eu precisava ser forte, crescer emocionalmente, não ter medo de nada, afinal não é assim que uma mãe deve ser?? Foi quando veio as frustrações, percebia que por mais que eu quisesse ser essa mãe não conseguia... vieram os enjoos, o mal estar, quase perdi você... o medo tomou conta de mim... como eu poderia cuidar de você? Eu não conseguiria me transformar nessa mulher que eu imaginava que deveria ser para cuidar de você!

O tempo foi passando... meu coração foi se acalmando... Fui compreendendo que uma mãe só existe quando seu filho nasce... e que durante os meses de gestação, assim como seu bebê, a mãe vai se "desenvolvendo" aos poucos mas somente quando tiver seu filho nos braços poderá realmente assumir seu papel de mãe. E também que uma mãe não precisa ser perfeita para ser uma boa mãe, precisa acima de tudo ter amor a oferecer a seu filho e isso eu tenho.

Hoje é dia 21 de outubro, são exatamente 11:01hs, não sei quantas horas ou mesmo dias faltam para nos encontrar, mas quero que saiba que estou muito ansiosa com esse encontro. Quando nossos olhos vão nos encontrar pela primeira vez... quando poderei enfim te acalentar nos meus braços e acariciar seu rostinho! Eu prometo minha filha que será muito amada, que cuidarei de você e farei o melhor que eu posso para te educar e ensinar as coisas da vida. 

Sei que deve estar com um pouco de medo de sair de um lugar aconchegante, conhecido para o mundo totalmente desconhecido aqui fora. Mas não se preocupe, você não estará sozinha, estou aqui te esperando...  Aliás tem um montão de gente aqui fora te esperando! Pessoas incríveis que também a receberão com muito amor.

Giovana, minha querida, vai dar tudo certo. Passaremos por tudo isso juntas... e ao final, quando sair ai de dentro eu e seu pai estaremos lá para lhe receber. Amamos você.

Até mais,
Mamãe e Papai

--> Leia mais...

15 de outubro de 2011

38ª Semana - Proximidade do parto aumenta ansiedade


Seu bebê: Na emoção da reta final, a frequência cardíaca do bebê é duas vezes mais rápida do que a da mãe, de 120 a 160 batidas por minuto. Ele sabe que precisa se sentir quentinho do lado de fora do útero. Por isso, a camada de gordura sob sua pele aumentou um pouco, regulando melhor a temperatura corporal. Os intestinos deram mostras de que estão funcionando bem e já formaram o mecônio, uma substância verde considerada como sendo o primeiro coco do bebê. Mas não se preocupe. Normalmente, o mecônio é excretado após o nascimento.

Sua gravidez: Se você ainda está trabalhando, essa é uma boa semana para sair de licença. Falta muito pouco para o bebê nascer e a sua barriga, que agora tem de 36 a 38 centímetros de altura, dificulta suas atividades rotineiras. Além disso, provavelmente você não está dormindo tão bem, o que pode deixá-la mais cansada e com sono durante o dia. Por isso, hora de pegar leve. Uma dica para esquecer os desconfortos – e driblar a ansiedade típica dessa fase – é se concentrar em outras atividades. Você pode, por exemplo, ler sobre o surpreendente trabalho de suas mamas para fabricar o leite materno, o primeiro alimento do bebê, ou sobre células-tronco, um assunto especialmente interessante para as gestantes.

--> Leia mais...

12 de outubro de 2011

Está chegando a hora! Será que é hoje?

Essa pergunta não sai da minha cabeça! Será que é hoje o dia do meu parto? O dia que vou conhecer minha filhota?

Nesta segunda levamos um susto! Passei mal de madrugada, sentia algumas dores que não conseguia identificar claramente de onde vinham! Vinham ao mesmo tempo do estômago, costas, sentia falta de ar e minha pequena estava agitadíssima! Algo errado acontecia! Acordei o Fê e fomos para o hospital. Durante todo o percurso de casa ao hospital só pensava numa coisa, seria agora o tão sonhado momento? Será que eu estava pronta? Quando a médica me examinou e ouvimos o coraçãozinho da Giovana me acalmei. Estava tudo bem com ela. Tomei Buscopan na veia e logo me senti melhor! A dra. me explicou que são sintomas comuns do final da gestação... Orientou sobre alimentação e recomendou descanso.

Confesso que junto com a sensação de alívio veio a frustação... a espera continua!

Está tudo pronto! No final de semana levamos à casa dos avós suas roupinhas, carrinho, bebê conforto, cadeira de descanso e seus acessórios. Ontem terminamos de fazer as lembrancinhas para maternidade. Aliás ficaram lindas! Foi eu e o Fê que fizemos, depois coloco as fotinhos. Provavelmente até o final da semana vou para a casa dos meus pais. Esperarei lá a minha hora. Assim fico mais tranquila na companhia da nossa família.
--> Leia mais...

Alivie incômodos comuns no final da gravidez

Nas últimas semanas de gestação, os pés incham, a dor nas costas se torna insuportável e você não encontra posição nem para dormir. Isso sem contar a azia, os desconfortos intestinais e a dificuldade para evacuar. Essas reações são absolutamente normais nesse período. Mas não se explicam, apenas, pelo aumento de peso do bebê. Conheça suas causas e saiba o que fazer em cada situação. 

Inchaço nos pés: O crescimento do útero comprime os vasos sanguíneos e congestiona o retorno da circulação dos membros inferiores para o coração, levando a uma dilatação do sistema vascular periférico. Isso faz com que pernas e pés extravasem líquido para a camada subcutânea, provocando inchaços. No final da gravidez, esse processo atinge seu auge. Durante a gestação, a mulher tende a reter líquido, o que também contribui para o inchaço nos pés. Para diminuir os edemas, é importante caminhar, ativando a panturrilha e garantindo o bombeamento do sangue. O controle do peso é igualmente recomendável, assim como o uso de meias elásticas, que estimulam a circulação. 
Dores nas costas: São inevitáveis e crônicas. À medida que o momento do parto se aproxima, o bebê começa a se encaixar na arcada estrutural da região pélvica e força uma abertura na ligação entre os ossos. As contrações intensificam esse processo e a dor irradia principalmente para as costas. A única forma de amenizar a dor é preparar melhor o corpo para essa situação. Como? Dando a ele mais flexibilidade, o que significa fazer fisioterapia e atividades como hidroginástica e mesmo ioga e pilates. Claro, sempre com aval do médico e a supervisão de profissionais habilitados para isso. 
Dificuldade para dormir: Com a proximidade do parto, encontrar uma posição confortável na hora dormir se torna uma tarefa inglória para a mulher. O barrigão atrapalha o sono e a gestante acaba perdendo um tempo precioso de descanso, principalmente quando aguarda filhos gêmeos. A primeira dica dos especialistas é dormir sempre de lado, com um travesseiro entre os joelhos e a barriga bem apoiada na cama, de preferência virada para o lado esquerdo, o que facilita o bombeamento do sangue do coração da mãe para a placenta, evitando o estresse do bebê. Apoiar um travesseiro nas costas também pode melhorar o incômodo. Mas, se ele prosseguir, vale a pena adquirir um travesseiro triangular, em forma de rampa, que apoia a mulher desde o dorso até a cabeça. Ele melhora a sensação de falta de posição. 
Azia: O crescimento do volume da placenta eleva o músculo do diafragma e diminui a capacidade de reserva do estômago. Paralelamente, as alterações hormonais da gravidez provocam o relaxamento da válvula que controla a passagem de alimentos entre o esôfago e o estômago. O resultado é o aumento do refluxo do conteúdo estomacal para o esôfago, a famigerada azia. Para evitar essa queimação, a principal dica é comer menos e com mais frequência, o que significa pelo menos seis vezes por dia. É recomendável ainda mastigar muito bem os alimentos, evitar misturar líquido enquanto come e nunca deitar após as refeições. Fuja também de frituras e doces – prefira alimentos frescos e integrais. Se o refluxo noturno for muito intenso, providencie um apoio para permanecer com o corpo reclinado e a cabeça levemente suspensa durante o sono. 
Câimbras: A ação hormonal e a compressão do sistema vascular por onde retorna o sangue das partes baixas favorecem o surgimento das câimbras, principalmente pela manhã. A dilatação dos vasos periféricos e a diminuição do fluxo sanguíneo comprometem a oxigenação dos músculos das pernas, e isso leva a dormências e câimbras. Além de meias elásticas, os exercícios físicos melhoram o fluxo de sangue.
Falta de ar: Além do estômago, o aumento do tamanho do bebê também comprime o pulmão e reduz a capacidade respiratória da mulher, o que pode levar a eventuais crises de falta de ar. No final da gravidez, o segredo é coordenar a respiração diante de esforços maiores, inspirando e expirando com mais frequência e menos profundidade. O controle de peso também é fundamental. Treinos de respiração em aulas de ioga, meditação e similares também podem ser muito proveitosos. 
Hemorroida: As hemorroidas são varizes no ânus, que podem causar desde coceira e queimação até inchaço e dor. E a dilatação de veias nessa região é mais frequente no final da gestação. Algumas mulheres têm predisposição, anunciada pelas varizes em suas pernas ou nas de sua mãe. Mas a gravidez contribui para o aparecimento de hemorroidas também por motivos anatômicos e hormonais. A compressão circulatória causada pela expansão do útero favorece a dilatação dos vasos, enquanto a descarga hormonal pode levar à prisão de ventre. Essa situação cria dificuldades de evacuação e precipita dilatações vasculares no chamado plexo hemorroidário. Para amenizar seus efeitos, não se deve nunca forçar a evacuação. Também é importante fazer atividade física para melhorar a circulação e se alimentar de forma equilibrada, bebendo bastante líquido e ingerindo produtos ricos em fibras, como vegetais. Em casos mais graves, o médico pode tratar tanto a prisão de ventre como as hemorroidas em si. 
Prisão de ventre: É um problema que acompanha a mulher principalmente na reta final da gestação. A descarga hormonal deixa o intestino preguiçoso por causa do relaxamento muscular, o que desfavorece o chamado movimento peristáltico. O crescimento do útero também pode reduzir a velocidade do fluxo do alimento no intestino. O resultado é que as fezes demoram mais até chegarem a seu destino e acabam se ressecando, o que caracteriza a prisão de ventre. O segredo para evitá-la é ingerir bastante líquido e alimentos ricos em fibras. O exercício físico também é altamente recomendável. Em situações mais críticas, seu médico pode prescrever alimentos ou medicamentos laxativos. 
Tontura e sonolência: A compressão provocada pelo útero impede o retorno venoso das partes baixas e os hormônios favorecem a dilatação periférica vascular. Isso derruba a pressão sanguínea e pode causar falta de oxigenação em várias regiões. Se o prejudicado for o sistema nervoso central, a gestante pode sofrer tonturas. Para prevenir essa situação, a recomendação é usar meias elásticas e ingerir muito líquido. Já a sonolência tem a ver também com questões hormonais próprias da gravidez, mas principalmente com a privação das oito horas recomendadas de sono por noite. A dica aqui é fazer o possível para dormir mais, o que inclui atividade física regular. 
Incontinência urinária: No final da gravidez, o útero invade parte do espaço da bexiga e diminui sua capacidade de armazenamento de urina. Resultado: a mulher tende a ir mais frequentemente ao banheiro e, muitas vezes, nem consegue segurar. Ações hormonais também podem tanto reduzir a capacidade funcional da bexiga como levar à frouxidão muscular na região pélvica, causando uma perda urinária involuntária. Em geral, é um problema que costuma sumir semanas após o parto. Uma dica para prevenir é fazer fisioterapia, que fortalece os músculos pélvicos, sob a orientação de uma especialista.
Olá pessoal, eu estou com 37 semanas e 4 dias, esses ultimos dias foram difíceis, apresentei uma série de incomodos comuns da gestação mas que ainda não havia sentido. Lendo essa postagem percebi que só me faltam as caibras e a tontura! rsrsrs
Mas tenho me concentrado muito em minha filha, sei que o aumento desses sintomas está dizendo que está chegando a hora. A tão sonhada hora de vê-la. E isso é capaz de superar tudo.


Fontes: Ricardo Cavalli, professor de obstetrícia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo; Fernanda Campos da Silva, obstetra, secretária da Comissão de Perinatologia da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia; e Antônio Júlio Sales Barbosa, obstetra do Hospital Santa Catarina.
--> Leia mais...

11 de outubro de 2011

Brincando com seu bebê: 10 a 12 meses

Seu bebê já não é mais aquela coisinha frágil de outros tempos e, a cada dia que passa, aprende novidades mais depressa e precisa passar mais tempo no chão, para explorar o mundo. Nesta fase, atividades que estimulem o desenvolvimento motor, como ficar de pé, empurrar e tentar subir, são importantíssimas. 

Arruma e desarruma 
Agora que a criança está descobrindo a conexão entre objetos do mundo, ela vai gostar de empilhar bloquinhos, colocar cubos em uma determinada ordem (que pode não fazer nenhum sentido para você) ou encher e esvaziar caixas com peças menores (fique sempre se olho para que não sejam pequenas demais e possam ir parar na boca). 

Dê a seu filho uma caixa de sapato fácil de abrir e mostre como dá para colocar várias coisas lá dentro e tirar tudo depois. Em um dia mais quente, procure uma sombra gostosa e leve potes pequenos de plástico para ele encher e esvaziar com água. 

Tudo por um brinquedo 
Uma vez que seu filho já fique de pé, coloque-o em uma ponta do sofá e na outra um brinquedo daqueles bem queridos, para que tenha que chegar do outro lado para alcançá-lo. Talvez você tenha que mostrar como funciona essa brincadeira, deixando algo seu lá e se arrastando de joelhos para pegar. Aumente a distância quando perceber que ficou fácil demais, mas não comece com um percurso muito difícil, porque isso pode frustrá-lo, fazendo-o desistir. 

Seu mestre mandou… 
Faça um barulho estranho e olhe para o bebê para ver se ele imita você. Pode ser que sim ou pode ser que resolva fazer seu próprio som engraçado, e aí será a sua vez de imitar ou de criar de novo algo diferente. 

E não se limite só a sons. Faça caretas ou movimentos e veja só o que acontece. Aproveite algum gesto inesperado do seu filho e o repita para mostrar como você sabe fazer como ele, o que o deixará superfeliz. 

Hora do banho 
Nenhuma criança desta idade se contenta mais em simplesmente sentar na banheira e ser lavada. Bebês mais velhos querem ficar de pé, jogar água para todos os lados, pegar seu cabelo, amassar o sabonete ou o recipiente de xampu. 

O melhor jeito de não transformar a hora do banho em uma loucura para você é ter muitos brinquedos para distrair seu filho na água. E isso não quer dizer ter que sair para comprar. Com certeza na sua própria cozinha há uma série de potes e embalagens plásticas que podem servir perfeitamente para brincar, é só procurar e testar para ver o que dá certo. 

Depois do banho, lave e enxágue bem os "brinquedos" e deixe-os secando no escorredor de louça. 

Atenção: Nunca deixe um bebê brincando sozinho, nem por um segundo, na banheira. 
--> Leia mais...

Brincando com seu bebê: 7 a 9 meses

Seu filho já é quase um especialista em se sentar e logo logo estará engatinhando por aí. Encha-o de elogios a cada conquista, mesmo após os inevitáveis tombos. "Lucas, olha só como você consegue sentar bonito!". Bebês adoram palmas como parte do elogio. 


Outra coisa que faz cada vez melhor é passar objetos de uma mão para a outra e segurá-los. Além do mais, ele começa a entender que, se um brinquedo não está à vista, isso não quer dizer que sumiu para toda a eternidade. Aproveite para brincar bastante de esconder o rosto atrás das mãos perguntando "Onde está a mamãe?" e depois abri-las dizendo "Achou!". 


Pega, segura e bate  
Se ele tiver um só brinquedo na mão, vai tentar batê-lo na mesa sem parar. Se tiver dois, vai tentar bater um no outro, segurá-los contra a luz para ver o efeito, batê-los separadamente e depois junto na mesa, transferi-los de uma mão para a outra, enfim, uma infinidade de combinações.  Para ajudar, tenha sempre por perto itens que fazem sons interessantes, como embalagens plásticas vazias, colheres de metal, sinos e chocalhos. 


No controle
Bebês adoram observar situações de causa e efeito, como quando percebem que, se apertam um botão, a luz se acende. É estimulante para eles, mas pode dar muito trabalho para você ter que aguentar o tempo todo a insistência de ser pego no colo mil vezes para acender e apagar luzes.  Para evitar conflito, tente oferecer um telefone de brinquedo a fim de saciar a vontade dele de controlar as coisas. Outra alternativa é deixar de propósito, em alguma gaveta ou armário mais baixo, itens seguros que possam ser "encontrados" e manipulados sem risco. Não deixe de verificar antes se não há mesmo nenhum pedaço de madeira ou outro acabamento se soltando que possa machucar o bebê. 


Corrida de obstáculos 
Se o seu filho estiver engatinhando, se arrastando de bumbum ou até, se for apressado, dando os primeiros passinhos, incremente a experiência com muitos obstáculos no meio do caminho para ele tirar da frente -- algo que é ótimo também para aprimorar as habilidades motoras da criança. Valem almofadas, revistas velhas e até pais cansados! Só não use animais domésticos, porque o bebê pode machucá-los sem querer. 


Rola a bola
Crianças pequenas são apaixonadas por bolas e pelo jeito como elas se movimentam. Experimente só jogar uma bola bem grande para cima e deixá-la cair no chão como se não tivesse conseguido pegá-la a tempo.  Outra forma divertida de brincar com bolas é escolher uma de plástico molinho ou tecido e jogá-la na direção do bebê. Aos poucos, ele vai aprender a pegá-la e jogar de volta para você. Por enquanto, nada de chutes ou cestas. 
--> Leia mais...